Cinema: O que alguns Oscars não fazem…

Por: Ísis Alves*

Lendo a matéria que foi postada ontem no Yahoo com o título “Índia festeja 8 estatuetas de “Quem Quer Ser um Milionário?” (para ler na íntegra clique aqui) fiquei me perguntando “Como assim?!?”. Até um dia antes da entrega do Oscar, o filme era um “insulto” a toda-poderosa Índia por “mostrar de modo obsceno” a pobreza e a miséria do país. Algumas estrelas de Bollywood foram umas das primeiras a tacarem pedras quando deveriam bater palmas e tirar o chapéu, porque cinema não é feito só de fantasia e sonho é, também, um meio de se mostrar a realidade para que ela seja discutida.

Lembro-me que certa vez, logo após o lançamento do filme, li uma reportagem onde o governo indiano havia rotulado a obra de Danny Boyle  de “Conto-de-fadas que não condiz com a realidade”. Para tudo! O que a Rede Globo retrata em sua novela das 21h é o que então? Realidade?

“Apesar da ação judicial e da polêmica que a estreia da produção gerou na Índia, onde alguns representantes de Bollywood protestaram pela exposição “obscena” da miséria no país, os Oscar conquistados foram recebidos com orgulho pela classe política, começando por Sonia Gandhi.”

(para ler na íntegra clique aqui)

Chega ser um tanto hipócrita tais reações – por parte da indústria cinematográfica e do governo indiano. Quando recebeu prêmios “menores” (SAG, Golden Globe, entre outros)  o filme continuava a ser julgado exatamente do mesmo modo, mas foi só ganhar 8 estatuetas do maior prêmio internacional e as coisas mudam?

“Mesmo o ícone do cinema de Bollywood, Amitabh Bachchan, um dos primeiros a levantar a voz contra o filme, felicitou hoje seus colegas premiados por conseguir “o reconhecimento internacional para o talento do cinema indiano”.”

(para ler na íntegra clique aqui)

A conclusão que se tira de tudo isso? O que alguns Oscars não fazem, não é mesmo…

Cinema hoje em dia é um enlatado, mais conhecido como blockbuster, que você encontra no shopping ou na locadora mais próxima de você. É um produto sobre o qual as pessoas não possuem mais opinião crítica (política, social, econômica ou mesmo artistica). A indústria cinematográfica tenta transformar filmes que trazem uma mensagem importante, filmes que tentam nos fazer refletir, como “Quem Quer Ser um Milionário”, “Wall-E”, “Milk – A Voz da Igualdade” entre tantos outros (preferi citar apenas os mais recentes), em grandes enlatados aos quais as pessoas irão assistir e acharão que aquilo não passa de um mero conto-de-fadas sem qualquer utilidade reflexiva-socio-política, servindo apenas como entretenimento.

* Ísis Alves é estudante de Comunicação Social, habilitação em Radialismo, nas Faculdades Integradas Hélio Alonso
Anúncios