Laboratório SESC Rio de Roteiros para Cinema

Encerram nessa sexta-feira [28/08/2009] as inscrições para o laboratório de roteiros para cinema realizado pelo SESC Nogueira. Serão selecionados 10 roteiros para longa-metragem de ficção cujos autores participarão do laboratório com consultores brasileiros e internacionais de 23 a 27 de novembro de 2009 no SESC Nogueira, em Petrópolis. As despesas para moradores do RJ serão cobertas pelo SESC, já os moradores de fora do estado terão de arcar com suas dispesas de transporte (alimentação e hospedagem pagas pelo SESC.

LABORATÓRIO SESC RIO DE ROTEIROS PARA CINEMA

Anúncios

Vida e Obra – MICHAEL JACKSON Parte 03: “All I wanna say is that: they don’t really care about us…”, queda…

Tudo na vida tende a acabar, reinos tendem a perecer…não foi diferente para Michael Jackson (ainda mais com a mídia em cima todo o tempo)…

Excentricidade e vitiligo do Rei do Pop

Durante a divulgação de Bad, a publicação de excentricidades sobre a vida de Michael adquiriu contornos enfáticos. Verdades ou mentiras, tornaram-se parte da imagem que se criou em torno de Jackson. Foi noticiado, por exemplo, que o astro tentou comprar os ossos e roupas de John Merrick, o Homem Elefante. Que ele teria uma parte do próprio nariz, retirada em cirurgia plástica, conservada em uma jarra dentro de casa. Que dormia em uma câmara hiperbárica para retardar o envelhecimento. Mais tarde essas notícias foram desmentidas pelo próprio. Na época, as alterações na aparência de Michael eram visíveis e geravam muita polêmica. Os jornais especulavam sobre dezenas cirurgias plásticas, apesar do músico confirmar apenas duas, e possíveis razões para a mudança na cor da pele dele, que estava branca. Especialistas acreditavam que Michael teria se submetido a um tratamento intensivo com hidroquinona, uma substância capaz de clarear a pele. Em 1993, durante entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, Jackson afirmou sofrer de vitiligo, uma doença autoimune não contagiosa em que ocorre a perda da pigmentação.Devido as suas supostas excentricidades, Michael ganhou o apelido ‘Wacko Jacko’, do tablóide The Sun. Vegetariano, Michael supostamente tinha horror a refrigerantes artificiais, apesar de ter feito uma campanha publicitária milionária para a Pepsi.  Bad foi indicado ao Grammy.

Neverland

Em maio de 1988, Michael Jackson se mudou da residência da família para um rancho recém-adquirido no vale de Santa Ynez, ao norte de Los Angeles, também na Califórnia. A propriedade foi batizada de Neverland (Terra do Nunca) – uma referência ao livro Peter Pan (1906), de J. M. Barrie. O astro morou sozinho no rancho por 17 anos em busca de privacidade. Não funcionou. Pelo contrário, o isolamento só fez com que aumentasse o interesse do público e, consequentemente, da imprensa sobre a vida dele. Em março de 1990, Michael Jackson assinou um contrato milionário com a Sony Music que asseguraria a permanência dele na gravadora por mais 15 anos . Nesse período, ele deveria lançar seis álbuns e receberia 180 milhões em antecipação por cada um deles. No livro dos recordes, Jackson passou a ser citado como o artista mais bem pago da indústria da música.

Era Dangerous [Black or White, o videoclipe de maior estréia]

Depois de um ano longe das paradas de sucesso, Michael pôde ser ouvido novamente nas rádios em novembro de 1991 com a canção “Black Or White”, o primeiro compacto que seria lançado do álbum Dangerous. Jackson convidou o diretor John Landis (de “Thriller”) para gravar o videoclipe da canção. Quando foi transmitido, o curta-metragem, que tinha dez minutos de duração, gerou controvérsia, mostrando o astro quebrando vitrines de lojas e destruindo um carro com um pé-de-cabra. O videoclipe foi transmitido simultaneamente para 27 países perante uma audiência estimada em 500 milhões de pessoas, um novo recorde. A reação foi imediata. O segmento considerado violento foi retirado do curta-metragem. Michael se retratou em um comunicado dizendo que o comportamento simulava o instinto de uma pantera, animal em que se transforma durante a história. O vídeo também ficou famoso por mostrar na televisão uma das primeiras metamorfoses geradas em computador. O videoclipe contava com a participação de Macaulay Culkin. Duas semanas depois, Dangerous foi lançado.

Heal the World Foundation

Jackson fundou a “Heal the World Foundation” em 1992. A fundação ajudava milhões de crianças ao redor do mundo. Também enviou milhões de dólares para todo o mundo para ajudar as crianças ameaçadas pela guerra e por doenças tornando-se um dos maiores doadores para causas humanitárias da história.

Dangerous World Tour

Em junho de 1992, Michael saiu em turnê para divulgar o álbum e quebrou recordes de público firmados anteriormente por ele mesmo durante a Bad World Tour, em 1987 e 1988. A turnê foi interrompida em 1993 depois que ele foi acusado de abusar sexualmente de um menor. Apesar disso, a investida levou para os estádios 3,5 milhões de pessoas em 69 concertos – uma média maior do que qualquer outra turnê até então. Todos os lucros da Dangerous World Tour foram revertidos para caridade. A Dangerous World Tour foi a turnê que utilizou mais equipamento do mundo. O palco demorava 3 dias para ser montado e eram necessárias mais de 60 carretas, 20 caminhões e 2 jumbos 747 para transportar o equipamento de 2 toneladas e meia que eram: 168 homens trabalhando, 2 telões de cristal líquido, 1000 luzes e mais de 10 mil cabos elétricos. A Dangerous World Tour foi transmitida ao vivo pela HBO e foi a turnê de maior audiência da televisão.

Com a morte de Ryan White, vítima de HIV, Michael lançou o single Gone Too Soon, e chamou atenção do mundo para pesquisas sobre a cura da AIDS, que na época havia um grande preconceito por parte das pessoas. Durante a era Dangerous, Jackson visitou vários lugares do mundo, incluindo Iraque e Egito. Na África quando desembarcou em Gabão, foi recebido por mais de 100 mil pessoas, com um enorme cartaz dizendo “Bem-vindo a casa Michael!”. Em sua viagem á Costa do Marfim, Jackson foi coroado “Rei Sani” pelo chefe da tribo.

Em 1993 recebeu o “Grammy Legend Award” por ser uma lenda viva e por sua contribuição ao mundo da música.

Era HIStory

Alegações de abuso sexual

Em agosto de 1993 o jovem Jordan Chandler, de 13 anos, representado pelo advogado civil Larry Feldman, acusou Michael Jackson de abuso sexual. As declarações, feitas à imprensa, nunca foram entregues à Justiça e, por conseqüência, o astro não chegou a ser indiciado pelo crime. Apesar disso, o promotor distrital Tom Sneddon deu início a investigações paralelas no final do mês pelo condado de Santa Ynez, residência oficial de Jackson. As acusações geraram frenesi em todo o mundo. Michael cancelou o último seguimento da turnê do álbum Dangerous em outubro, pouco antes de deixar o México a caminho dos Estados Unidos. Durante uma semana daquele mês não se soube o paradeiro do astro. Ele reapareceu internado aos cuidados do terapeuta Beauchamp Colclough, na Irlanda do Norte, em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos alegando a necessidade de se restabelecer de um vício em analgésicos.

Michael Jackson se pronunciou sobre as alegações pela primeira vez em dezembro de 1993, durante um comunicado transmitido simultaneamente pelas redes CNN, CBS, NBC e ABC, ao vivo do rancho Neverland. Ele se defendeu, afirmando ser incapaz de “causar mal a uma criança”. Depois de seis meses de negociações, contra a vontade do cantor e do seu advogado, a companhia de seguros daquele fechou um acordo de confidencialidade com Evan Chandler, pai de Jordan Chandler que o acusava. Especula-se que a família tenha embolsado quase 15 milhões de dólares. As investigações paralelas da Justiça foram arquivadas em 1994 por falta de provas. Com o acordo, o único reclamante se recusava a colaborar.

Casamento

No mesmo ano, em maio, Jackson casou-se com Lisa Marie Presley. A união foi amplamente divulgada e criticada pela imprensa, que especulava sobre a conveniência do casamento, realizado meses depois do término das investigações criminais contra o astro. A primeira aparição pública do casal foi em setembro durante o MTV Video Music Awards do ano. Eles entraram no palco, seguiram por uma passarela e se beijaram. O matrimônio durou dois anos.

O álbum

Em junho de 1995 chegou às lojas o álbum duplo HIStory: Past, Present and Future – Book I. No primeiro disco, uma seleção de quinze sucessos remasterizados. No segundo, a primeira coleção de canções inéditas lançada pelo cantor desde que acusado de abuso sexual. O videoclipe do primeiro compacto do álbum, Scream/Childhood, um duelo musical com a irmã Janet, estreou durante uma entrevista concedida por Michael e Lisa Marie à apresentadora Diane Sawyer no programa Primetime, da ABC, um dia antes do lançamento de HIStory. O videoclipe de Scream é o segundo vídeo musical mais caro da história: custou cerca de sete milhões de dólares, perdendo o primeiro lugar apenas para o videoclipe From Yesterday, do grupo 30 Seconds To Mars . Também durante a divulgação do álbum, Jackson esteve no Brasil para gravar cenas do videoclipe da canção “They Don’t Care About Us” na favela Santa Marta no Rio de Janeiro e também na Bahia, com o grupo de percussão Olodum.

Era Invincible

Outubro de 2000, Jackson lançou Invincible, a primeira coleção de novas canções lançada pelo astro em seis anos, desde HIStory, em 1995. Produzido essencialmente por Rodney Jerkins (“If You Had My Love”, Jennifer Lopez) e Teddy Riley (“In The Closet”), inclui como convidado o guitarrista Carlos Santana e contém ainda um rap póstumo de Notorious B.I.G.

A QUEDA

Problemas com a Sony

Durante a rápida divulgação do álbum ficaram explícitas as divergências entre Michael e o então-chefe da Sony Music, Tommy Mottola. Os problemas começaram em 2000, quando Jackson tentou retirar a licença das gravações originais do catálogo dele da gravadora para lançamento independente. Assim Michael não precisaria dividir os lucros com a Sony. Entretanto, os advogados de Jackson encontraram cláusulas no contrato dele com a gravadora que impediam a transação. Para evitar uma disputa judicial, Michael e a Sony fecharam um acordo que permitiria que ele abandonasse a gravadora depois do lançamento de Invincible, mas não antes de um pacote de coletâneas que reuniriam os maiores sucessos dele. A crise se acentuou quando a canção “You Rock My World” vazou para as rádios ilegalmente e teve que ser lançada como primeiro compacto do álbum. Michael queria “Unbreakable” e se negou a colaborar com a divulgação de Invincible.

Invincible, o  álbum

A Sony boicotou o álbum de Jackson, retirando das lojas após três meses de lançamento. Ainda assim, Invincible vendeu 11 milhões de cópias no mundo todo, algo difícil até para os artistas que estavam no auge na época.

Uma semana após os atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos, Michael Jackson anunciou a gravação de uma canção beneficente para arrecadar fundos a familiares das vítimas. Mais de 35 cantores contribuíram, como Shakira, Celine Dion, Ricky Martin, Luther Vandross, Justin Timberlake, Carlos Santana, Beyoncé, Laura Pausini e Mariah Carey. O compacto nunca foi lançado devido aos desentendimentos do astro com a Sony Music. Além disso, especula-se que o envolvimento de um dos produtores do projeto com a indústria do cinema pornográfico estadunidense teria afastado patrocinadores.

Jackson ajudou a formar o “United We Stand: What More Can I Give”, concerto beneficiário realizado no RFK Stadium em Washington. Onde cantou What More Can I Give junto com outros cantores e Man In The Mirror sozinho, porém essa última não foi exibida na televisão.

Novas polêmicas

Jackson teve seu terceiro filho, Prince Michael Jackson II (Blanket) em 2002. A mãe da criança se mantém anônima, Jackson revelou que a criança era resultado de inseminação artificial. Em novembro do mesmo ano, durante sua estadia em Berlim, Jackson apareceu na janela da varanda do quarto de hotel com seu filho recém-nascido. O cantor surpreendeu a todos quando pôs seu filho com um pano no rosto para fora da janela durante 3 segundos. Supostamente, ele fizera isto para mostrar seu filho aos fãs que se encontravam à entrada do hotel, que teriam pedido que ele o mostrasse. Este ato provocou severas críticas. Em 2003 a Sony lançou a coletânea Number Ones que vendeu 6 milhões no mundo todo. No mesmo ano foi exibido o documentário “Living with Michael Jackson”, que mostrava o dia-a-dia do cantor. O documentário mostrou a vida de Jackson, a sua infância difícil e seus 3 filhos, a sua casa e o seu isolamento no seu mundo particular.

Ainda em 2003 Jackson foi acusado de pedofilia por Gavin Arvizo. Jackson negou as alegações de abuso sexual. Elizabeth Taylor defendeu o cantor em um programa de televisão dizendo que ela tinha estado lá, quando Gavin se encontrava na casa do cantor, assistindo televisão. “Não houve nada de anormal. Nós rimos como crianças, assistimos um monte de filmes da Disney. Não houve nada de estranho, nem de inapropriado .” Durante a investigação, o perfil de Jackson foi examinado por um profissional da saúde mental chamado Dr. Stan Katz; o médico passou várias horas com o acusador também. A avaliação feita por Katz, dizia que Jackson tinha a idade mental de um garoto de 10 anos e não se encaixava no perfil de um pedófilo.

O julgamento durou cinco meses, até o final de maio de 2005. Durante o julgamento, o cantor novamente sofreu de estresse e grave perda de peso, que viria alterar sua aparência. Em junho, Jackson foi absolvido de todas as acusações, por falta de provas. Depois do julgamento Michael abandonou Neverland e se mudou para o Bahrain. O cantor disse que apesar de amar Neverland, ela tinha trazido coisas ruins (como as acusações) para sua vida e que nunca mais andaria com crianças novamente.

Outra coletânea foi lançada em 2004, The Ultimate Collection, uma caixa com quatro CDs e um DVD. Em março de 2006, a Sony Music lançou nova coletânea, o álbum duplo The Essential Michael Jackson.

A [tentativa de uma] retomada: This Is It

This Is It seria uma série de 50 concertos que teria início em 13 de Julho de 2009 (meu aniversário 🙂 ), na O2 Arena, em Londres. Os shows seriam suas primeiras aparições significantes desde a bem-sucedida HIStory World Tour de 1996/1997, já que em 2001, ano de lançamento de seu mais recente álbum de inéditas, não foi realizada uma turnê para a promoção deste álbum, apenas 2 concertos foram realizados na cidade de Nova Iorque para a comemoração de seus 30 anos de carreira. Os 750 mil ingressos para esses concertos esgotaram apenas 5 horas após o início das vendas.

Os ensaios finais da turnê foram todos filmados em alta definição, são mais de 100 horas de vídeos que darão origem a um filme, entitulado This Is It. O filme será produzido pela Columbia Pictures, dirigido por Kenny Ortega e a edição final do longa deve estar pronta em outubro de 2009.

Morte

Em 25 de junho de 2009, foi noticiado que Michael Jackson sofreu uma parada cardíaca em sua casa, na vizinhança de Holmby Hills, Los Angeles, CA, Estados Unidos. Os serviços de emergência médica socorreram o cantor em sua casa, na tentativa de reanimá-lo. Porém, como Jackson se encontrava em estado de coma profundo, ele foi levado às pressas para o Ronald Reagan UCLA Medical Center, o hospital universitário da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). Desde sua internação, rumores haviam se espalhado pela imprensa confirmando seu falecimento. Sua morte teve uma repercussão internacional instantânea, sendo motivo de preocupação por parte dos fãs em muitas partes do mundo.

Vida e Obra – MICHAEL JACKSON Parte 02: “’Cause this is thriller, thriller night…”, ascensão e…

De uma pequena casa aos grandes palcos. Do anonimato à fama. Aos treze anos de idade quatro música no topo das paradas de sucesso, o talento de Michael Jackson era inquestionável…

AS ERAS DE UM REI…


A Era Off the Wall

Michael gravaou Off the Wall em 1978 com a produção de Quincy Jones, dez canções deram forma ao primeiro álbum solo lançado por ele (já em idade adulta). Considerada por vários músicos um dos seus melhores trabalhos, Off The Wall causou furor entre o público e a mídia especializada. Sua mistura avassaladora de black music e disco tornou-se referência na época e nos anos que se seguiram. Michael ganhou seu primeiro Grammy com o compacto de “Don’t Stop ‘Til You Get Enough”, canção escrita e produzida por ele e tornou-se o primeiro artista a colocar quatro canções de um mesmo álbum entre as dez mais tocadas tanto no Reino Unido quando nos Estados Unidos. Apesar de ter vendido com um único álbum solo mais do que os Jacksons haviam conseguido na carreira de 11 anos, Michael resolveu continuar com os irmãos, atendendo a pedidos da mãe.

Em 1979 durante um ensaio, Jackson caiu e quebrou o nariz, sendo obrigado a operar o nariz. Sua primeira rinoplastia não foi um completo sucesso e Jackson reclamou de dificuldades respiratórias que afetavam sua carreira. Ele foi submetido ao Dr. Steven Hoefflin que realizou a segunda rinoplastia de Jackson e outras subseqüentes operações. Em 1980 lançou mais um disco com os Jacksons.

Era Thriller

O álbum Thriller foi finalizado em seis meses e lançado em novembro de 1982, depois de vários adiamentos. É, atualmente, o álbum mais vendido da história, com mais de 106 milhões de cópias vendidas no mundo todo, tornou-se a maior sensação da América influenciando não sóe a música, como também a dança, a moda e a televisão daquela época e até os dias de hoje é uma das maiores referências para inúmeras áreas artitiscas e uma das maiores [se não a maior] referência ao rei do pop. Thriller chegou à primeira posição entre os mais vendidos dos Estados Unidos em 1983 e permaneceu na posição por 37 semanas no primeiro lugar e mais 43 no top 10, um verdadeiro recorde.

MJ_CVR_R

Thriller foi também um marco na luta contra a discriminação racial na indústria fonográfica. Jackson tornou-se o primeiro artista negro cuja música estava no ar na MTV, com o videoclipe de “Billie Jean”, dirigido por Steve Baron. A canção “Beat It”, que tinha participação do guitarrista Eddie Van Halen, fez rádios de rock, na época orientadas a um público essencialmente branco, tocarem a canção de um negro; e fez rádios de black music tocarem rock. Um feito inédito até então.

Motown 25: Yesterday, Today, Forever

Durante a divulgação de Thriller na noite de 16 de maio de 1983, 3 mil celebridades norte-americanas lotaram um teatro em Los Angeles para assistir a uma apresentação comemorativa dos 25 anos da gravadora Motown. De suas casas, 50 Milhões de norte-americanos acompanharam pela TV a apresentação dos vários artistas negros, até a entrada dos Irmãos Jacksons, que vão embora e deixam Michael Jackson sozinho no palco. Ele começou a cantar “Billie Jean” , sucesso do álbum que havia lançado seis meses antes. De repente, Michael parou de cantar, andou até o canto esquerdo do palco e voltou deslizando de costas. Naquela noite, mais do que imortalizar o passo de dança criado e batizado décadas antes pelo dançarino Bill Bailey como “Moonwalk” (algo como “passo da lua”), Michael Jackson consagrou-se como o Rei do Pop (título dado a ele por Elizabeth Taylor durante o American Music Awards).

“Foi aquele momento que cristalizou o status de celebridade de Michael Jackson”, disse a revista americana Rolling Stone. “Moonwalk, no mundo do entretenimento, só é comparável ao andar de vagabundo de Chaplin, à sequência de Gene Kelly em Dançando na Chuva e aos passos de Fred Astaire no filme Núpcias Reais”.

Depois daquela apresentação, tanto Fred Astaire quanto Gene Kelly foram atrás de Jackson para parabenizá-lo por usar tão bem o passo criado por Bailey. Foi então que o cantor estreou o chapéu e jaqueta pretos e a famosa luva de lantejoulas. Em dezembro daquele ano, Michael e o diretor John Landis estabeleceram também novos horizontes para a produção de videoclipes, quando um curta-metragem de 14 minutos foi lançado para promover a canção “Thriller” ao custo de 600 mil dólares, elevado para os padrões da época.

Também em tempo para o Natal de 1983, um segundo dueto entre Jackson e Paul McCartney chegou às lojas. “Say Say Say” tornou-se o sexto número um de Jackson na América e o nono do ex-Beatle.

Acidente e hospitalização

Em 27 de janeiro de 1984, Michael Jackson sofreu um acidente enquanto gravava o segundo comercial para a televisão do contrato de 5 milhões de dólares que havia assinado para ser garoto-propaganda da Pepsi. O cabelo do astro foi incendiado por fogos de artifício. Ele teve queimaduras de segundo grau no couro cabeludo. Michael foi liberado do hospital um dia depois da internação.

Em março de 1984, Jackson lançou em VHS o videoclipe de “Thriller” acompanhado por um documentário sobre os bastidores da produção. A fita, intitulada Making Michael Jackson’s Thriller, vendeu 14 milhões de unidades e tornou-se a mais vendida de todos os tempos, até ser superada pela do filme Titanic, de James Cameron, em 1997. Em maio seguinte, Thriller entrou para o livro dos recordes e Michael ganhou uma estrela na Calçada da Fama, em Hollywood. Ao final de 1984, Jackson já havia conquistado 94 prêmios por Thriller. Na cerimônia do Grammy Awards daquele ano, o astro estabeleceu um novo recorde conquistando oito prêmios. A marca foi igualada pelo guitarrista mexicano Carlos Santana com o álbum Supernatural apenas 12 anos depois no ano de 2000.

We Are The World

O sucesso do então Rei do Pop era inquestionável. Em 1985, Michael Jackson se uniu a Lionel Richie e Quincy Jones na missão de arrecadar fundos para a campanha USA for Africa. A idéia era gravar uma canção cujos lucros seriam revertidos para reduzir os índices de mortalidade pela fome no continente africano. Lionel compôs, no piano, a melodia. Michael escreveu a letra em um único dia. O resultado  do trabalho desses dois brilhante artistas? “We Are The World”.

Para gravar a canção, Quincy Jones convidou 44 celebridades da música e televisão, incluindo Cyndi Lauper, Diana Ross (mais tarde uma das maiores amigas de Michael), Ray Charles e Stevie Wonder. O projeto arrecadou 200 milhões de dólares para a luta contra a fome na Etiópia.

Michael ganhou dois Grammys por “We Are The World”: “Canção do Ano” (com Lionel Richie) e “Gravação do Ano” (com Quincy Jones). A canção recebeu também outros dois prêmios na cerimônia.

Era Bad

Depois de Thriller, Jackson adiou o lançamento de um novo disco por várias vezes. Somente em 1986 o público conheceu uma das canções selecionadas para fazer parte do que seria o álbum Bad. A canção “Another Part Of Me” fazia parte da trilha-sonora do filme Captain EO, produzido por George Lucas e Francis Ford Coppola. Michael estrelava o curta-metragem filmado todo em 3D para a Disney ao custou de um milhão de dólares por minuto. Até 1998, o filme ainda era exibido em parques temáticos da companhia.

Jackson lançou Bad em agosto de 1987, com dois anos de atraso. Para a mídia especializada, o álbum era pouco ousado e uma decepção em comparação com Thriller (1982) ou Off The Wall (1979). Em contrapartida, o público respondeu bem e fez de Bad um grande sucesso, não tão grandioso quanto Thriller, mas um grande sucesso.

Em setembro de 1987, Michael deu início à Bad World Tour, a primeira turnê mundial dele como artista solo, que passou em 15 países e atraiu 4,4 milhões de pessoas aos estádios – um recorde de público que seria superado pelo próprio Michael duas vezes, em 1992 e 1997.

Este album foi a ultima parceria entre Michael e Quincy.

Fontes: Wikipedia e Yahoo

Livros gratuitos para baixar na internet

Bom dia!

Fazendo uma pesquisa no google para achar um livro (para um trabalho da faculdade) encontrei o que precisava nesse singelo site de download de e-books, o Cultura Brasil que conta com uma lista ótima de livros clássicos, resenhas e bibliografia. Se gostar e sempre que precisar ele estará a disposição na nossa lista de links aí ao lado.

Bom download e boa leitura!

Cortando e Costurando – Para quem está iniciando…

Além de ilustração amo costurar! No momento estou parada por falta de tudo (máquina, material, dinheiro e tempo. É a faculdade consome muito da minha pessoa…). Eu sou costureira autodidata, por isso fui na internet e comecei a buscar por tudo que se referi a costura. Descobri os livros de Gil Brandão e Read Digest verdadeiras bíblias da arte de cortar e costurar.

Recomendo que entrem na comunidade Corte e Costura sem segredos. Lá o criador da comunidade disponibiliza materiais e informações ótimos (dentre eles o livro do Gil Brandão) além de dúvidas e conhecimento trocados entre os próprios membros da comunidade. É ótimo. Depois que aprender alguma coisa com os sábios conhecimentos de Gil B. recomendo o site Cortando e Costurando que está na nossa lista de links em Corte e Costura e todos os links que também se encontram lá. Depois que pegar a manhã arrisque-se em buscar moldes na internet e de criar você mesma(o) as suas prórpias peças. Corte/Costura é como qualquer outra habilidade que se adquire nessa vida: só consegue com prática.

Espero que tenha gostado, outro dia volto a falar de costura! Até!

Ilustração

Olá amigos…

Sei que estou devendo muuuuuuiiiitos posts e vou colocá-los até o final do mês (é uma questão de honra, rs). A vida na cidade maravlihosa anda meio complicada e corrida e a gripe suína não tá ajudando muito… rs. Bem, hoje quero falar rapidamente de um dos meus passatempos favoritos: Ilustração. A pouco mais de dois anos descobrir um site chamado Drawspace.com [Sim, em inglês…again]. Ele é simplesmente maravilhoso! E bem completo por sinal… infelizmente não dá para imprimir (você tem que pagar para imprimir) e graças à alguns aplicativos do Mozilla Firefox estou conseguindo pegar as apostilas 😀 que em breve disponibilizarei num link no site 4share.com. Mas isso vai demorar um pouco porque os arquivos são um pouquinho pesados…

Bem, voltando ao Drawspace.com… o site se divide em três sessões: Iniciante, Intermediário e Avançado, com artigos, dicas e aulas propriamente ditas sobre ilustração, coloração e até mesmo o material necessários para executar suas criações distribuidos em cerca de 215 arquivos. Se você acha que não sabe desenhar, vai aprender, e se você já desenha pode aprimorar seus conhecimentos… Fica a dica!

Kisse Kisses


ATUALIZAÇÃO v1.0 em 18/08/2009

Olá pessoal. Vou ficar devendo as apostilas. Elas aparece para quem é cadastrado no site. Só consegui baixar uma apostila do cursso e agora meus “macetes” para baixar arquivos flash (swf) não está mais funcionando 😦 Ainda assim acho que vale a pena para quem curte desenhar passar pelo menos uma horinha lendo as apostilas na net…

Kisse Kisses!

Artesanato – Bonecas de Pano

Olá pessoal!

Finalmente o primeiro post em artesanato…[sim finalmente]. Mil desculpas pela demora, mas esse tempo maluco tá me deixando doente (quem tem sinusite sabe do que estou falando), bem chega de conversa mole e vamos ao que interessa, afinal estou devendo muuuuuiiitos posts e tenho que colocar todos aqui antes de minhas férias acabarem…ok, here we go.

8 Inch Baby Pattern

8 Inch Baby Pattern

Eu amo bonecas de pano e por isso o primeiro post é dedicado à elas! Eu conheço uma liga de sites (para infelicidade da maioria eles estão em inglês), são sites ótimos e com bastante ilustrações. Aqui vai a lista:

1. Nunodoll:

O meu favorito! E um dos mais interessantes. As bonecas são lindissimas, também ensina a fazer roupas e bichinhos de pelúcia (uma graça).

Link: http://dollmaker.nunodoll.com/

2. Dollmaking Techiniques:

Outro excelente site. Com bastante imagens.

Link: http://www.asahi-net.or.jp/~eq5k-mgry/english/tech.htm

3. Free Cloth Doll Patterns:

Tem bastante material nesse site e vem com os moldes (grátis).

Link: http://dollmakersjourney.com/freepatterns.html

4. Handworks:

Não tem muito material mas tem umas coisas bem bonitinhas 😉

Link: http://www.asahi-net.or.jp/~eq5k-mgry/english/handwork_e.htm

5. Baby Pattern:

Ensina a fazer um bebê. (lindinho! É o da imagem acima)

Link: http://www.snsdolls.com/pattarch/8inchbaby/babymain.htm#top

6. DollMagazine:

Revista online sobre bonecas de pano.

Link: http://www.dollsunited.com/sample.php

Espero que gostem! Com o tempo vou ver com uma amiga (que é estilista) pra me ajudar com os termos mais técnicos e assim traduzir esse ótimo material (ISTO NÃO É UMA PROMESSA, ainda verei se é viável fazermos esse trabalho!). Até a próxima pessoal!