TROPA DE ELITE 2 – O INIMIGO AGORA É OUTRO

INDICAMOS ESSE FILME!! CAMPANHA:

Estou reiniciando a minha Campanha “Prestigie o Cinema Nacional“ 🙂 Sinta-se a vontade para participar também! A reproduçao da logo está sob a lincensa Creative Commons*.

***

Ontem assistir a pré-estreia de Tropa de Elite 2 com convites do @Dr_Viver_Bem, rs. Já estava muito ansiosa, adorei o primeiro filme e sempre tive aquela sensação de quero mais.

Em termos técnicos acredito que o segundo filme é muito melhor que o primeiro (não desmerecendo o trabalho técnico do primeiro, obvio), a fotografia de Lula Carvalho é um show a parte e que, diferente de alguns filmes, cumpre o seu papel  em criar uma estética para o filme e em ajudar a dar o clima da história sem roubar a atenção do espectador daquilo que é mais importante: a mensagem do filme.

Em “Tropa 2“ não tem meio termo, não tem essa de agradar ninguém. Padilha, através de um roteiro bem contruido e de uma narrativa bem definida e cheia de nuances, desenha a realidade do Rio de Janeiro nua e crua. Acompanhamos Nascimento desde sua saída do BOPE até seu trabalho como Sub-Secretário de Segurança do Estado em sua incessante caça ao tráfico, o surgimento e a luta contra as mílicias e sua trajetória no embate contra o sistema (daí o subtítulo desse segundo filme, no meu entender). Vemos também Nascimento no verdadeiro auge do seu esgotamento físico, mental e profissional ao mesmo tempo em que tem que lidar com a ex-esposa e o filho adolescente.

Saí com minha alma lavada na cena em que Nascimento espanca o político corrupto…fiquei triste com a morte de um dos personagens do filme, rir horrores com a interpretação caricata de André Mattos. E AMEI ver um filme muito mais maduro, com personagens mais maduros e mais complexos, com uma história mais rica e mais complexa.

Tropa de Elite 2 é um daqueles filmes que te dão um tapa na cara, um soco no estomago e uma rasteira que te deixa no chão. Sim, no chão. O modo como Padilha conta a história te prende do incio ao fim e quase não sentimos as quase duas horas de filme.

Acredito no cinema como instrumento de conscientização, como espaço político, como espaço de reflexão, como qualquer outra arte. E “Tropa 2“ cumpre bem esse papel, considero quase um dever civico assisti-lo. Esse excelente longa, que EM NADA DEVE AOS BLOCBUSTERS INTERNACIONAIS, levanta questões  importantes que espero  que sejam objeto de reflexão e levem tudo isso a debates que gerem atitudes concretas por parte da sociedade.

Tropa de Elite 2 conta com mais uma primorosa direção de José Padilha, direção de fotografia de Lula Carvalho; com Wagner Moura, André Ramiro, André Mattos,  Irandhir Santos, Sandro Rocha, Maria Ribeiro, o estreante Pedro Van Held e grande elenco. No site você pode fazer download do Pressbook com mais detalhes sobre o filme e conhecer um pouco mais da obra.

Resumindo Tropa de Elite 2 em uma palavra: EXTRAORDINÁRIO.

Vão aos cinemas e confiram! PRESTIGIE O CINEMA NACIONAL.

Perfil oficial do Twitter: @Tropa2 //Site: www.tropa2.com.br

 

Licença Creative Commons
Prestigie o Cinema Nacional Logo by Carpe Diem is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License. Based on a work at comunicacaobr.files.wordpress.com. Permissions beyond the scope of this license may be available at https://isisalves.wordpress.com.

KARATE KID

CONTEM SPOILERS!

Ontem eu assisti [finalmente] Karate Kid (Kung Fu Kid, no original).

O Filme

O filme, que é um remake do clássico Karate Kid, tinha tudo pra dar errado e desagradar os fãs. Eu mesma fui assisti por influência dos amigos e não porque estava muito afim de ver e me supreendi.

Pra começo de conversa Jaden Smith tem futuro! Sim, o garoto atua bem e é muito carismático, não tem uma cena no filme que você não goste rs. Jack Chan está irreconhecivel no papel de Sr. Han – um cara tranquilo e quieto. Ele não fala muito, mas suas falas são pontuais. E palmas para Taraji P. Henson que cumpre bem e de forma até cômica o papel de mãe de Dre, interpretado por Jaden, no filme.

A história é basicamente a mesma do original Karatê Kid, as únicas mudanças são que ao invés de uma família de Italianos você tem uma família Afrodescedente; ao invés da mudança ocorrer para os EUA, ela ocorre para a China ; e ao invés de ter o golpe da Garça no final você terá o “golpe da cobra” – que por sinal foi muuuuuiiito mal feito, não pelo Jaden S. mas pela Dir. de Atores  e Câmera…o que tirou o brilho final do filme que estava caminhando muito bem.

Boa parte do filme teve boas doses de comédia na medida certa – funcionando até melhor do que o do original – e sem soa escrachado ou estranho. A química ente J.Chan e J.Smith é muito boa e convence no filme. Até mesmo os coadjuvantes mirins são muito bons, o vilãozinho principal não sei porquê me lembrou muito uma versão miniatura de Jet Li, sua cara de boneco assassino ao longo do filme foi super convicente. Seria muito interessante poder ver novos trabalhos dessa garotada, o cinema está precisando de uma renovação e acho qe tá na hora né.

O  longa consegue ser um remake e uma homenagem ao Karate Kid original ao mesmo tempo que é um filme totalmente a parte.

A Técnica

A fotografia é básica mas muito bem feita. A trilha sonora cumpre seu papel e surpreende na músca tema com Bustin Jieber, ops, quis dizer Justin Bieber, rsrs, com voz de homem quase irreconhecível. As locações escolhidas são típicas pra turista ver, obvio que só mostraram a parte linda de Pequim e a clássica Muralha da China.

Os enquadramentos escolhidos ao longo do filme também são básicos e não apresentam nenhum diferencial que mereça destaque.

As atuações são boas, as das crianças inclusive;

Apesar do bom filme o mesmo tem o seu brilho um tanto diminuido com o erro grotesco do golpe final mal feito – devido a escolha errada do ângulo da câmera e de um provavel erro na direção do atores nesta cena.

Apesar disso é um ótimo filme e recomendo!

Ísis Alves

Taraji P. Henson

INCEPTION (A Origem) – Impressões…

Quando fui ao cinema assistir pela primeira vez esperava um filme fantástico, bem o filme é excelente (do meu humilde ponto de vista) mas não tem toda essa bola que dão não…

Nolan acertou em cheio no roteiro bem amarrado, nos efeitos especiais sem muitas firulas e na direção bem feita. No entanto, senti muita falta da química entre os atores. Sim, acho que faltou química ,especialmente entre Cottilard e DiCaprio, sinceramente os dois não convenceram como casal, uma pena. O roteiro foi muito bem amarrado, se fosse dividi-lo em duas partes chamaria a primeira de apresentação: no inicio, Nolan, parece ter a preocupação de que o espectador entenda bem aquele universo, talvez não em toda sua complexidade, pois isso seria impossível, mas para que o mesmo possa desfrutar a segunda parte do filme (onde ocorre 95% da ação) sem preocupações de entender o que é o que e o que está acontecendo.

Ao contrário do que alguns dizem, e apesar de adorar o fantástico Hans Zimmer, me contorci ouvindo aquela trilha sonora (exceto quando tocava Piaf, maravilhosa!), tinha momentos que ela (a trilha) nada tinha a ver com o filme e parecia ser algo totalmente a parte. A trilha tem que ser uma parte integrante do filme e não uma “coisa a parte“.

Os efeitos especiais na medida certa foram um show a parte no filme. Nolan provou que menos é mais, mesmo quando se trata de efeitos especiais. Tendo em vista do que se trata a história do filme ele poderia ter surtado nesse quisito e o não fez, poderia ter abusado e não o fez. E o que dizer da incrivel sequência da luta de Arthur (Gordon-Levitt) no corredor do hotel??? Meu queixo caiu nessa hora. rsrs.

O único defeito em termos de edição/montagem que vi foi numa das primeiras cenas em que DiCaprio conhece a personagem de Page, foi um corte brusco entre uma cena e outra e que ficou feio. Mas ignorem isso, é o meu perfeccionismo falando. Além do que esse erro passa despercibido diante de toda a maravilha do filme. A fotografia feita por Pfister do filme é bem básica, esse não é um daqueles filmes que você para e de cara diz “Nossa, que fotografia linda”, mas acertaram nisso também, com uma história tão boa acho que uma fotografia básica foi de bom tamanho. Os outros personagens vem para cumprir seus papeis cada um com seu carisma. Mesmo Saito (Watanabe) tem lá o seu charme.

E por fim, o modo como Nolan encerra o filme é sensacional. Calma, não tem spoilers! rs Apenas digo que muitos sairão com a impressão de que tudo não passa de um sonho; outros acharão que foi realidade. Acredito que não foi sonho – pois se não haveria muitas controvérsias a explicar sobre todo o filme. Bem, mas tudo é uma questão de opinião.

Veredicto final? É um excelente filme que deve ser assistido e e apreciado sem tentar dar significado a tudo o que se vê (esse recado é para o pessoal da psicologia, hahaha). Nota 10 para Inception (A Origem), se houvesse mais química entre os personagens o filme seria perfeito! Cada dia mais me apaixono pelos trabalhos de Nolan, para quem não sabe ele é diretor de “Amnésia” e “Batman – O Cavaleiro das Trevas”

FICHA TÉCNICA
Diretor: Christopher Nolan
Elenco: Leonardo DiCaprio, Marion Cotillard, Ellen Page, Cillian Murphy, Joseph Gordon-Levitt, Ken Watanabe, Michael Caine, Tom Berenger
Produção: Christopher Nolan, Emma Thomas
Roteiro: Christopher Nolan
Fotografia: Wally Pfister
Trilha Sonora: Hans Zimmer
Duração: 148 min.
Ano: 2010
País: EUA/ Reino Unido
Gênero: Ação
Cor: Colorido
Distribuidora: Warner Bros.
Estúdio: Warner Bros. / Syncopy
Classificação: 14 anos
Don Cobb (Leonardo Di Caprio) é especialista em invadir a mente das pessoas e, com isso, rouba segredos do subconsciente, especialmente durante o sono, quando a mente está mais vulnerável. As habilidades singulares de Cobb fazem com que ele seja cobiçado pelo mundo da espionagem e acaba se tornando um fugitivo. Como uma chance para se redimir, Cobb terá de, em vez de roubar os pensamentos, implantá-los. Seria um crime perfeito, mas nenhum planejamento pode preparar a equipe para enfrentar o perigoso inimigo que parece adivinhar seus movimentos. Apenas Cobb é capaz de saber o que está por vir.

Oficina “Da Captação à Finalização da Imagem” do Festival Brasileiro de Cinema Universitário

Olá pessoal!

Como havia prometido um post sobre a Oficina.

Normalmente os agradecimentos vem no fnal mas [Como sei que talvez não leiam o post até o final, rs] Desde já agradeço

– Aos realizadores da oficina: Festival Brasileiro de Cinema Universitário (@FBCU), Link Digital e Fazer Cinema;

– Aos oficineiros João Paulo (Link Digital) e Neto Favaron (Fazer Cinema), bem como as suas respectivas equipes, por todo o conhecimento transmitido durante a oficina;

– A Ana Izabel (FBCU) que cuidou para que tivessemos um cenário no dia da gravação (rs), ao Brechó da Célia e Carolina Carelli nossa atriz convidada.

O Curta ESTATÍSTICAS será exibido no encerramento do Festival no dia 08/08 às 19h no Centro Cultural dos Correios (RJ)

Obviamente não estou descrevendo em detalhes toda a oficina porque isso seria impossivel, só funcionaria se a mesma fosse gravada e depois transcrita; a oficina foi de uma riqueza de detalhes e informações que obviamente não caberia num unico, ou mesmo em vários, posts…

No primeiro dia da oficina nós estivemos com o Neto e também com o João Paulo para uma conversa sobre a captação da imagem, formas de captação, problemas que podem ocorrer, equipamentos, acessórios etc. Apesar de termos focado bastante na parte de câmera e lentes e nas formas de trabalhar a captação, também fpram pinceladas algumas coisas sobre o aúdio, edição, luz, problemas que surgem. limitações dos equipamentos, etc.

Após uma longa conversa sobre tudo isso colocamos a mão na massa! Sentamos para conversar sobre como adaptariamos o texto “Estatísticas” de Poliana Paiva. Nós tinhamos a Carolina Carelli como atriz, alguns elementos cenográficos conseguidos pela Ana Izabel, roupas do Brechó da Célia, o Neto fazendo a fotografia e operando a câmera, 6 diretores e pouco mais ou pouco menos de duas horas e meia (não lembro exatamente) para filmar tudo. É tudo! rs

Felizmente o grupo dessa oficina foi bem coeso, pensamos juntos e tentamos fazer o melhor possível dentro das limitações especialmente de tempo. Tudo pronto, o mais dificil havia acabado e a brincadeira estava apenas começando!

A maioria das pessoas não fazem a minima ideia de por quantos lugares e mãos os filmes passam para alcançar aquele resultado que achamos maravilhoso na tela do cinema! Não sei para os outros participantes da oficina, mas para mim mais do que fazer o curta o que mais valeu foi conhecer todo esse processo que envolve um filme depois que ele é captado.

No segundo dia – dia com bastante informação! – nosso material foi para a ilha de edição para que selecionassemos as cenas, fazer cortes, aplicamos alguns efeitos e etc, através do Final Cut. Num segunda etapa passamos para uma segunda ilha onde usamos o Scratch onde fizemos uma pequena correção nas cores e marcação de luz (o que deu uma outra cara ao nosso curta, rs). Nesse mesmo dia conversamos bastante sobre todas essas ferramentas utilizadas na pós produção de um filme, vimos como funciona a telecinagem de um filme e tivemos a oportunidade de conhecer um pouco mais do trabalho da Link Digital.

No último dia de oficina retornamos a Link Digital apenas para fazer os últimos ajustes e conhecer outras ferramentas. Trabalhamos com o Smoke 2011 da Autodesk para finalizar o curta e claro explorar a ferramenta. E quando vimos já tinha acabado. O resultado vocês podem conferir dia 08/08 às 19h no Centro Cultural dos Correios.

A Oficina foi excelente e espero que o FBCU repita-a nas próxima edições pois é uma experiência muito bacana. Se possível, seria bem legal se tivesse mais tempo para oficina...grata pela oportunidade de participar da oficina!

P.S: Vou ficar devendo as fotos. Se me lembro bem acho que elas só estarão disponiveis na segunda feira, aí eu pego e coloco num outro post aqui!

Beijos!

@Isisalvesrj

Vale a pena assistir: “Henry Poole Is Here”

Em nosso primeiro ‘Vale a pena assistir’ – CoMuNiCaÇãO, o Blog – indica ‘Henry Poole Is Here’ (Henry Poole está aqui), um filme sobre fé e esperança…

‘Henry Poole is Here’

Diretor: Mark Pellington

Elenco: Luke Wilson (Henry), Radha Mitchell (Dawn), Adriana Barraza (Esperanza), George Lopez, Cheryl Hines, Richard Benjamin

O filme é uma grande lição sobre como não deixar de acreditar, como não perder (ou como recuperar) a esperança.

A história começa com a chegada de Henry Poole (Luke Wilson) a sua nova casa. O estranhamento começa a partir do momento em que ele não pechincha o preço da casa e quando realiza a mudança traz consigo poucos móveis. Não demora muito para que a fofoqueira do bairro, Esperanza (Adriana Barraza) comece a fazer convites para que ele conheça o restante da vizinhança.

O segredo de Henry (que eu não contarei porque senão estraga a história…) é um tanto dificil de descobrir no inicio. Ele fica alegando que ‘não ficará por muito tempo na cidade’. Apesar dos seus protestos e de seus pronunciamentos de ateísmo total, fica claro que ele busca desesperadamente algum “sentido” em sua vida.

Esperanza “descobre” na parede da casa de Henry uma imagem que diz se assemelhar a imagem de Cristo, ela traz o padre para verificar e não demora muito para que a casa de Henry comece a ser visitada por centenas de Evangélicos da cidade. Esperanza diz que ele não está realmente olhando. Que  ele  não quer ver, não quer acreditar em algo maior que si próprio. A essência desta personagem ( Esperanza) é também a do filme: trata-se de Fé.
Embora possa soar como uma mistificação evangélica ”Henry Poole está Aqui” é terrivelmente sério na entrega de sua mensagem de resgate-cristão sincero e cliché. Mas ainda assim, é um ótimo filme!

Classificação do Vale a pena assistir: 7

Fica aí a dica. Aproveitem!

Thriller (com legenda em português):

Festival do Rio 2009 e Curta o Curta – Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro

Olá pessoal!
Sei que quase não postei esse mês, pois bem, estou participando da produção de 2 curtas metragem então meu tempo está meio complicado sendo dividido entre o trabalho e a faculdade (que também está uma loucura).

Pois bem, hoje começou o Festival do Rio 2009 que acontece até o dia 9/10, para quem quiser Bastard Inglorius do sempre magnifico Quentin Tarantino os ingressos do primeiro dia de exibição foram vendidos em 20min !!! Mas calma ainda haverá dois dias de exibição quarta (7/10) e quinta (08/10), se tudo der certo assistirei na quinta-feira do mês que vem, rs. No final do mês que vem rola o Curta o Curta – Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro, muito interessante não deixem de ir!

Bem pessoal, é só isso, tenho que ir estou atolada de trabalhos para fazer. Depois escrevo contando sobre meus trabalhos os festivais(se eu conseguir ir) e, é claro, Bastard Inglorius do meu amado Tarantino!

Kisses Kisses!

MinC – Lista dos candidatos brasileiros ao Oscar 2010

Olá pessoal!

Nossa quanto tempo, a vida tá realmente muito corrida, muitos trabalhos (dentre eles o projeto de quatro curtas-metragens, sim QUATRo, tá uma loucura isso aqui…). Bem terminou o mês de agosto e fiquei devendo mais um post da série Prestigie o Cinema Nacional 😦

Mas tudo bem, esse mês eu consigo (espero) colocar todos os posts que pretendo escrever… enfim… estava lendo meus e-mails e encontrei a notícia no Yahoo da liberação da lista dos candidatos brasileiros ao Oscar 2010.

Confira a lista:

“Budapeste”, de Walter Carvalho;

“A Festa da Menina Morta”, de Matheus Nachtergaele;

“Besouro”, de João Daniel Tikhomiroff;

“Salve Geral”, de Sérgio Rezende;

“Feliz Natal”, do ator Selton Mello;

“O Contador de Histórias”, de Luiz Villaça;

“Jean Charles”, de Henrique Goldman;

“Síndrome de Pinocchio – Refluxo”, de Thiago Moyses;

“O Menino da Porteira”, de Jeremias Moreira;

“Se Nada Mais der Certo”, de Eduardo Belmonte


Fonte: Yahoo

Kisses, kisses!